Sunday, August 01, 2004

"Combater a Discriminação Racial"

"Combater a Discriminação Racial" - é o meu humilde propósito e piedoso desejo, que aqui tento levar a cabo através deste maravilhoso utensílio, o Blog.

O meu objectivo, ingente, vem, por isso, plasmado numa definição não acabada, em permanente construção! Convoco, pois, toda a gente, a debater, reflectir e colaborar para este desiderato, sejam os contributos desde o nível da conversa de circunstância até ao estudo académico!

A propósito, chamo-me Joaquim Fonseca!

8 comments:

Afonso said...
This comment has been removed by a blog administrator.
Afonso said...

Joaquim,

seriam necessárias centenas de páginas de um livro para desenvolver nas
mentes
um combate EFICAZ à discriminação racial e pergunto-me se este
"utensílio"
não se irá abaixo com o teu humilde tema! :-))

Já li dois livros com o titulo "O Racismo" e inúmeros artigos de
revista sobre
o assunto e confesso que continuo sem saber o que é exactamente o
racismo.
Aliás, o próprio autor do livro (da colecção "Que sais-je") também diz
o mesmo no prefácio!

Apenas diria que a discriminação racial encontra-se nos cinco
continentes:
África, América, Ásia, Austrália e Europa e é exercida com forças
diferentes.

Relativamente à Europa penso sinceramente que a "discriminação
sócio/cultural" é maior do que a "discriminação racial" - quase sempre
confundidas erradamente!

Parece ser um fenómeno que "vai e vem" consoante as épocas e os países.

Os períodos mais racistas de sempre na Europa foram 2 (na minha
perspectiva) e
são os seguintes:

- Finais do século XIX/inicio do século XX em França ao classificarem os
individos e suas capacidades mentais e até mesmo morais consoante as
suas
feições baseando-se em estudos não comprovados cientificamente.

- Finais da primeira metade do século XX na Alemanha com
os estudos da origem da raça alemã e sua superioridade relativamente
aos
outros povos europeus pondo em destaque uma "etnia" em particular e
isolada
numa região da Alemanha a "etnia" Ariana.

Note-se que a Inquisição em ESPANHA (mais tarde estendida até Portugal
sob
pressão de Castela) não pode ser considerada como uma discriminação
racial
visto que, embora tratar-se de uma raça aparte, o problema era
religioso.

De igual modo se pode dizer no que concerne os escravos vindos de
África. Pois
não era a cor que os reduzia a escravos mas sim a sua condição social
ou
grau de civilização. Será que alguma vez um rei ou mesmo um simples
chefe de
tribo africano foi escravo?? Por outro lado, o rapto e comércio de
escravos
ainda hoje se pratica em África entre gente da mesma cor. Muitas
crianças são
vendidas como escravas na Somália, Sudão,
Serra-Leoa, Mauritânia, Zanzibar (et
j'en passe), trabalham mal nutridas 14 horas por dia até morrer de
exaustão e
NINGEM DIZ E FAZ NADA!!!

É também por esta razão que não queria deixar de felicitar-te Joaquim
pela
excelente ideia do teu Blog!

Força ;-)

Afonso said...

esqueci-me de mencionar os acontecimentos dos anos 90 na ex-yougoslavia, m....!

Afonso said...

e os do Burundi!! Um milhão de mortos entre uma população de 4 milhões...(vou perguntar ao daniele quanto é que isto representa proporcionalmente...)

Afonso said...

equalivaria a 4 milhões de portugueses eliminados, não?

Afonso said...

em apenas duas semanas!! Coitado do Himler! Completamente ultrapassado!!! ;-((

Afonso said...
This comment has been removed by a blog administrator.
Afonso said...

Contráriamente ao que os benévolos leitores deste "forum" possam pensar eu sou pro-Europa-USA e Israel. (sorry, Mr Mandela)